Pesquisa de Notícias Mês: Ano: Assunto:

Vôlei

23/07/2002

GRAND PRIX FEMININO

ARLENE: O CURINGA DE MARCO AURÉLIO

MACAU - O treinador da seleção brasileira feminina de vôlei, Marco Aurélio Motta, tem um curinga no banco de reservas para surpreender os adversários no Grand Prix 2002. Atacando pelo meio, pela ponta, pela saída de rede ou ainda atuando como líbero, estas são as funções da atacante Arlene. A jogadora, que inicialmente foi convocada para ser a líbero da seleção, atualmente é a primeira opção do treinador para melhorar o fundo de quadra do time brasileiro. Neste Grand Prix, Arlene não é titular, mas além de ajudar quando entra no jogo, tem um papel importante no grupo: motivar. Aos 32 anos, Arlene disputa a sua primeira temporada na seleção brasileira. A Montreux Volley Masters, na Suíça, no início de junho, na Suíça, foi a primeira competição da jogadora defendendo as cores do Brasil. No torneio, no qual o time brasileiro ficou na quinta colocação, Arlene atuou como líbero. Durante as partidas, mesmo do banco de reservas, Arlene não pára um só instante de motivar a equipe. E, quando entra em quadra, a jogadora cumpre o seu papel, defendendo e atacando pelo fundo. “Apesar de ser a mais velha do grupo, me sinto como uma juvenil. Acho que por isso, algumas meninas confiam muito em mim. Meu maior papel neste grupo é incentivar. Não fico um minuto sem incentivá-las durante os jogos. Se tivesse que ir para a torcida para animar, iria sem nenhuma dúvida”, revelou a animada Arlene. Eleita a melhor líbero da Superliga 01/02, na qual ficou com o vice-campeonato defendendo o BCN/Osasco, Arlene chegou à seleção para a posição, mas acabou oferecendo outras possibilidades para Marco Aurélio aproveitar seu jogo. “Ela é um grande curinga. Durante as partidas ela é a minha primeira reserva para trabalhar no fundo de quadra, seja como ponta ou como saída de rede. Nos treinamentos ela faz todas as funções: é libero, ponta, oposto e meio-de-rede, só não levanta. O alto astral dela contagia a todos”, elogia o técnico Marco Aurélio. Arlene se diverte com sua versatilidade dentro de quadra e não esconde a emoção de estar defendendo as cores do Brasil do outro lado do mundo. “Não tenho uma posição fixa. Durante a maior parte da minha carreira joguei como meio-de-rede. Mas passei a ser líbero e consegui ter um bom desempenho. Todos brincam comigo dizendo que sou ESPN, especialista em posição nenhuma. Estou muito motivada nesta minha primeira temporada. Defender o Brasil tão longe é muito bom. Quando ouvi o Hino Nacional, em Tóquio, chorei de emoção” , conta a jogadora que mede 1,77m. O grande incentivador e responsável pela paixão de Arlene pelo vôlei foi o jogador Gilson, que integrou a seleção masculina no início deste ano. “O Gilson me deu muito apoio para eu começar a jogar. Ele era meu vizinho em Belo Horizonte e resolveu formar um time e me chamou. Aceitei na hora. Depois, ele me levou para o Filipense, um clube mineiro que nem existe mais, foi lá que comecei, em 87”, relembrou a jogadora que não poupa elogios ao seu descobridor. “Admiro muito o Gilson. Ele é meu ídolo e meu amigo. Ele joga por prazer e isso é bom demais”, completou a mineira que já passou por clubes tradicionais, como o Minas, Pinheiros, BCN/Osasco e Flamengo, no qual sagrou-se campeã da Superliga 00/01, sendo comandado por Luizomar de Moura, atual assistente-técnico da seleção brasileira. A campanha da seleção brasileira no Grand Prix está motivando ainda mais Arlene que acredita que o grupo tem reais condições de chegar às finais. “Este time é maravilhoso e tem muito potencial. As meninas estão muito motivadas e com vontade de fazer uma boa apresentação. A prova disso são os resultados que já começaram a surgir. Até as Olimpíadas de 2004, este time vai evoluir bastante e brigar por muitos títulos. Começamos bem este Grand Prix e temos tudo para estar entre os quatro finalistas”, concluiu. Arlene está treinando com a seleção brasileira em Macau, na China, onde a partir da próxima SEXTA-FEIRA (29.07), começa a disputa da terceira etapa do Grand Prix. Na cidade chinesa, o Brasil terá a Tailândia, Alemanha e China como adversárias. Os jogos serão realizados no ginásio Fórum de Macau e definirão o futuro brasileiro. Somente os quatro primeiros colocados passam às finais, que será em Hong Kong, entre os dias 1 e 4 de agosto. Até o momento, as brasileiras ocupam a terceira colocação na classificação geral. A Rússia lidera. NEGÓCIOS DA CHINA - NOTAS DA SELEÇÃO FEMININA NO GRAND PRIX # Antes do treino desta TERÇA-FEIRA (22.07), as meninas da seleção realizaram uma pequena partida de futebol como aquecimento. Dois times foram formados. O grupo composto por Arlene, Sassá, Paula, Ciça e Valeskinha, foi o vencedor, ganhando por 2 a 1 da equipe de Fabi, Luciana, Sheilla, Fabiana Berto e Marina. Karin e Marcelle ficaram na torcida. Na arbitragem, o técnico Marco Aurélio comandava o jogo. # Macau está utilizando o Grand Prix 2002 para se preparar para os Jogos Asiáticos. A cidade chinesa será sede do evento em 2005. Cartazes da maior competição do continente asiático já estão espalhados por toda a cidade. Nas instalações esportivas já é possível observar obras de reforma e construção de novos ginásios. Em todo o país, a mobilização com o esporte é grande. O povo chinês já começa entrar na contagem regressiva para os Jogos Olímpicos de 2008, que serão realizados em Pequim. # As meninas do Brasil encontraram um grande programa na televisão do Hotel Grandeur, em Macau. Desde que chegaram, as jogadoras não perdem um capítulo da série brasileira Retrato de Mulher, estrelada pela atriz Regina Duarte, e que é transmitida todas as noites no canal português RTP. Edelman Basi

Rua Belém, 322 – Vila Assunção – Santo André(SP) – Cep 09030-120 | Telefone: (11) 4438-8200
Plantão: (11) 9 7653-7957
©GANegócios do Esporte - 2009 - Todos os Direitos Reservados | Criação de sites: PWI Web Studio